É hora da retomada

O estado de São Paulo foi o primeiro a atestar positivo para o Covid 19 no Brasil e foi um dos mais afetados pela pandemia. Na economia, foi o que mais perdas teve, cerca de R$ 20 milhões por semana, o que representa 32% da queda na economia do País.

Os números de desemprego, oferta de trabalho e procura refletem esse triste cenário em nosso estado. O PAT (Programa de Atendimento ao Trabalhador) ofertou mais de 192 mil vagas de emprego em 2019, número quatro vezes maior às oferecidas neste ano, pouco mais de 45 mil. O número de recolocados também é bem diferente. No ano passado, quase 60 mil profissionais voltaram ao mercado de trabalho, enquanto em 2020, o número está em torno de 13 mil.

Sabemos que o panorama é desfavorável em quase todo o mundo, mas não podemos utilizar a pandemia como desculpa para índices tão desoladores. É por isso que, desde as primeiras notificações, nós deputados estaduais, junto ao governo, temos pensado e adotado medidas emergenciais para controle da doença e retomada da economia.

Estamos em um período duro, de isolamento social e fechamento de comércios e serviços não essenciais ainda para algumas cidades. Por conta da situação, fizemos sessões remotas para votar e aprovar corte em nossos salários e orçamento da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo); utilização de fundos; medidas de controle da doença; medidas sociais e de proteção; entre outras.

Também demos prioridade às emendas destinadas à Saúde e lançamos mão de nossos recursos individuais para alguns coletivos em prol da população.

Como membro da Comissão de Atividades Econômicas da Alesp, participei ainda de debates e ações de retomada da economia em nosso estado. Um exemplo assertivo neste caminho foi o Banco do Povo – programa que visa apoiar os empreendedores paulistas. Até 30 de junho de 2020, houve mais de R$ 153 MI em empréstimo para mais de 10 mil empreendedores diferentes.

Aos poucos, São Paulo está avançando nas fases de quarentena e a capital, tão importante para a melhora da economia, já está na fase amarela. Isto significa que comércios e serviços não essenciais já estão funcionando com restrições, há estabilidade no número de infectados pelo Covid 19 e chegou o momento de focar em medidas que retomem nossa economia e revertam esse cenário desolador.

Vamos seguir com as ações de controle à doença, mas essa é nossa hora: HORA DA RETOMADA DA ECONOMIA!