Solidariedade realiza convenção nacional e oficializa apoio ao ex-governador Geraldo Alckmin

convencao nacional 3

Lideranças de todo Brasil do Solidariedade estiveram reunidas, neste sábado (28), no Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical (Sindnapi), na Convenção Nacional do partido, para deliberar as candidaturas do Presidente da República, vice-presidente, coligações nacionais e assuntos administrativos gerais. Por unanimada foi aprovado pelos convencionais o apoio ao ex-governador, Geraldo Alckmin, à Presidência da República.

O presidente nacional do Solidariedade e deputado federal, Paulinho da Força, agradeceu a Aldo Rebelo por ter aceito ser pré-candidato à Presidência da República pelo partido. “Em 2018 tivemos a capacidade de lançar candidatos à deputados federais, estaduais, senadores e um pré-candidato à Presidência da República, o Aldo Rebelo. Quero aqui agradecer em nome do Solidariedade a você, Aldo, pela confiança e pelo trabalho realizado nos últimos meses, de divulgação das propostas e das bandeiras do partido. Não tenho dúvidas que se tivéssemos tempo para colocar o Aldo na TV, ele seria o presidente do Brasil”, relatou.

Paulinho da Força também explicou como se deu a escolha do “Centro Democrático”, partidos chamados de centrão, pelo apoio ao ex-governador Geraldo Alckmin à Presidência da República. “Nós precisamos ganhar a eleição e para isso não basta fazer uma grande bancada de deputados federais e estaduais. Precisamos fazer alianças para termos força para resolver o problema do desemprego, pois tem milhões de pessoas hoje que não tem dinheiro nem para comprar um botijão de gás”, explicou.

“Fazemos parte de um grupo de partidos que se manteve unido, fizemos uma articulação para que os companheiros tirassem os seus candidatos e juntos escolhemos um candidato que pudesse ser o presidente da República e assim, decidimos apoiar o ex-governador, Geraldo Alckmin”, esclareceu.

O secretário-geral nacional do Solidariedade, Luiz Adriano (Luizão), fez um balanço da organização do partido em todo o Brasil para essas eleições. “Com a ajuda do nosso presidente Paulinho, dos presidentes nos estados, da Fundação 1º de Maio, nós conseguimos fazer uma organização no país todo. As chances de crescimento são visíveis, nós vamos saltar de 11 deputados federais para 35 eleitos e vamos ser a 5ª ou a 6ª maior bancada no Congresso Nacional”, avaliou.

O secretário-geral disse ainda que o Solidariedade tem chances de eleger 4 senadores e um Governador. Também foi colocado em votação, pelo secretário, e aprovado, por unanimidade, a intervenção da executiva nacional no Amapá para que o partido possa montar uma chapa competitiva no estado.

Paulinho da Força ao passar a palavra para o pré-candidato do Solidariedade à Presidência da República, Aldo Rebelo, falou que apresentou o nome do Aldo a vice-presidente de Alckmin. “Fiz questão de colocar o seu nome para compor a chapa, Aldo, porque o Brasil não é de direita e nem de esquerda, somos de centro. E esse centro quer o crescimento e o desenvolvimento do país. Então, juntar a sua força dos trabalhadores com a força do centro, que é o Geraldo, não tenho dúvidas que ganhamos a eleição no 1º turno”, relatou.

Aldo Rebelo agradeceu a confiança do Solidariedade e disse que tem uma história em comum com o Solidariedade e com os sindicalistas. “Nós só podemos estar em uma chapa se ela defender a redução das desigualdades, que não aceita uma reforma da Previdência que tira os direitos dos trabalhadores e que defenda o direito das mulheres”, explicou.

Rebelo também falou da sua missão com o Solidariedade, onde defendeu a democracia, a retomada do crescimento, a necessidade de aumentar a competitividade e finalizou falando: “sou fiel a essas bandeiras e defendo um Brasil forte e respeitado”.

Também participaram do evento o vice-presidente nacional do Solidariedade, Jefferson Coriteac; o secretário-geral estadual do Solidariedade em São Paulo, Alexandre Pereira; o executivo financeiro do partido em São Paulo, José Gaspar; o secretário executivo da sigla de São Paulo, Luiz Carlos Anatácio (Paçoca), a primeira tesoureira da legenda em São Paulo, Elza Costa; o presidente nacional do Sindnapi, Marcos José Bugarelli; o secretário nacional do Movimento Sindical do legenda, Geraldino Santos; a secretária nacional da Mulher da sigla, Eunice Cabral; o secretário nacional de Liberdade de Expressão Religiosa e Filosófica do partido, Moisés Silva Souza; o secretário nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da sigla, Plínio Sarti; o deputado estadual do Rio Grande do Norte, Kelps Lima; o secretário da SERT, Cícero Firmino (Martinha); o presidente da Fequimfar, João Carlos Gonçalves (Juruna); João Inocentini, diretor nacional do Sindnapi; o prefeito de Votuporanga/SP do Solidariedade, João Dado; o deputado estadual e presidente estadual do Paraná da sigla, Márcio Pauliki; e o deputado estadual de Tocantins, Vilmar.